25 de janeiro de 2015

LETRAS - MERCADO DE TRABALHO

VEJA O MERCADO DE TRABALHO EM QUE

OS DIPLOMADOS EM LETRAS PODEM ATUAR




I. ATUAÇÃO NA ÁREA DE MAGISTÉRIO:
Língua e Literaturas de Língua Portuguesa, Linguística, História da literatura, Redação, Produção de textos, Ensino de línguas estrangeiras e Tradução,

II. ASSESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA
As grandes empresas modernas têm uma assessoria para cuidar da comunicação social, da publicação de uma revista ou de um boletim, assim como de cursos de treinamento de funcionários e da redacção correta dos documentos da instituição.

III. ASSISTENTE DE DIRETOR DE PRODUÇÃO
Um campo pouco explorado até hoje e timidamente considerado como campo possível de atuação para diplomados em Letras, é o de assistente de produção nos programas de rádio, de televisão, de cinema, de vídeos e de cd-rons.

IV. REDATOR E REVISOR
Trata-se, evidentemente, de uma fatia ampla, que ultrapassa a necessidade das redações dos jornais. A realidade da informação e da comunicação levou-a aos gabinetes dos ministérios e das grandes empresas assim como às redações das revistas e às salas das editoras e das gráficas.

V. CENSOR FEDERAL
A censura federal é uma área pouco conhecida e de pouca demanda por parte dos diplomados em Letras. Mas foi até agora, curiosamente, uma área de grande consumo social e do maior interesse. (...) É um dos cargos acessíveis a pessoas bem preparadas e tem bons salários. 

VI. EDITORAÇÃO
Neste tipo de trabalho, serão selecionados naturalmente aqueles que tiverem maior vocação para a crítica textual e para a preparação de edições de textos literários nacionais e estrangeiros, havendo ainda um grande campo para a editoração de traduções originadas em textos de literatura estrangeira.

VII. PESQUISA LITERÁRIA
Através destes profissionais pode ser ousado o lançamento de enciclopédias, de coletâneas de textos, de séries críticas em literatura, de textos de cordel, dicionários sobre escritores, dicionários de literatura brasileira, de literatura estrangeira, de linguística, de termos literários, de redação, histórias da literatura, biografias literárias, dicionários de língua portuguesa e de línguas estrangeiras.

VIII. EDIÇÃO DE VÍDEOS E CD-RONS LITERÁRIOS, HISTÓRICO-LITERÁRIOS E LINGUÍSTICOS. 
Entremos agora em outro campo interessante. (...) Dependendo da qualidade do planejamento e da capacidade de execução, verbas federais, estaduais, bancárias, municipais e empresariais, podem abrir uma frente interessante que mobiliza pessoas adestradas e preparadas, para apresentar, com nível cultural, pedagógico e didático a história literária e o ensino da língua materna ou língua estrangeira.

IX. REDAÇÃO PARLAMENTAR
O redator parlamentar é encarregado de elaborar discursos parlamentares, relatórios ligados à atividade legislativa, minutas de indicações, de requerimentos e de pareceres, de pronunciamentos parlamentares ou legislativos em especial. Além do Congresso Nacional, as assembleias legislativas dos Estados e a Câmara dos Vereadores dos municípios oferecem este tipo de concurso e de emprego.

X. PLANEJADORES, COORDENADORES, ORGANIZADORES DE CURSOS E CONGRESSOS, AUTORES E DIRETORES EDITORIAIS
É este um campo muito fértil e requer boa preparação técnica, capacidade de organização, talento, visão e pesquisa. É, certamente, um rendoso mercado de trabalho.

XI. TRADUTOR E INTÉRPRTE
Para atuar com sucesso, pressupõe-se um trabalho montado no conhecimento de duas ou mais línguas, uma segurança de conhecimentos, praticidade para aliar conhecimentos, relações humanas e público, e uma habilidade técnica especial.

XII. CONTADORES DE HISTÓRIAS E DE OUTRAS ATIVIDADES ARTÍSTICAS
Neste sentido, seria muito natural para pessoas formadas em Letras, criar, por exemplo, um grupo voltado para a leitura de textos dramatizados para crianças, adultos e idosos, tipo grupo de contadores de histórias, conectado com outras atividades artísticas.

XIII. BELETRISMO
Durante muito tempo, o homem erudito, das sociedades clássicas e modernas, cultivava a figura do "letrado", do poliglota, do humanista versado nas Belas-Letras, do professor culto que tinha orgulho (...) A tendência predominante do mercado é ter um especialista, alguém versado num ramo: professor numa área de conhecimento, tradutor, intérprete, linguísta, teórico da literatura, historiador literário, semioticista, etc.

XIV - CURSOS DE TREINAMENTO PROFISSIONAL
Além da atuação em fundação de microempresas e no magistério em grupos de preparação para concursos e treinamento, existe paralelamente, outro setor. É aquele que redige, seleciona e prepara os originais das apostilas necessárias ao curso. Isso pode representar uma boa entrada financeira para os que as elaboram.

XV. SECRETARIADO EXECUTIVO
A empresa moderna caracteriza-se em seus quadros pela figura da secretária-executiva, que muitas vezes se transforma em chefe de gabinete do diretor ou do Presidente da empresa. Essa figura pode ser uma secretária com prática em redação oficial, com experiência em redação e experiência administrativa, e sobretudo secretária bilíngue, trilíngue e até em multinacionais mais sofisticadas uma secretária com conhecimentos em 4 línguas. (...) Tudo depende, evidentemente, da empresa, da preparação técnica, da adaptação pessoal e da complexidade do emprego.


Como se vê, além do mercado tradicional do magistério, sempre interessante e acessível, outros caminhos se abrem para os recém-formados de Letras.





Leia o texto na íntegra em:

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=396&cat=Ensaios&vinda=S



24 de janeiro de 2015

POSSE DA ACCL

Ontem (23/1/15), Admmauro Gommes, Libene Tenório e Antonio Buarque de Lima Júnior tomaram posse como membros da Academia de Cultura de Colônia Leopoldina (AL). A coincidência é que eles são amigos desde a adolescência, em  Novo Lino. Juntos, já fundaram jornal, escreveram livros e criaram um sistema de som, tipo autofalantes pendurados nos postes, na década de 80. Atualmente, AG escreveu cerca de 1400 poemas, Libene publicou vários livros e Buarque é diretor da reconhecida Rádio Comunitária Campestre FM que, em parceria com AG, organizou o livro Resgatando a História de Campestre. Como se vê, todos estão nas proximidades dos 50.

Na ocasião, AG recitou o poema Desencanto de Manuel Bandeira: "Eu faço versos como quem chora/ De desalento ou desencanto/ Fecha o meu livro se por agora/ Não tens motivo nenhum de pranto..."

21 de janeiro de 2015

VESTIBULAR DA FAMASUL/FACIP

TODAS AS INFORMAÇÕES EM
www.famasul.edu.br 
ou no Campus da AEMASUL


Período das provas: 05/12/2014, 11/01/2015 ou 25/01/2015

VAGAS - FAMASUL/FACIP
assim distribuídas e inseridas para captação de Bolsas de estudo junto ao PROUPE:

 Curso de Administração: 50 (cinquenta)
 Curso de Ciências Biológicas: 60 (sessenta)
 Curso de Geografia: 60 (sessenta)
 Curso de História: 50 (cinquenta)
 Curso de Letras: 60 (sessenta)
 Curso de Matemática: 60 (sessenta)
 Curso de Química: 50 (cinquenta)
 Curso de Pedagogia 50 (cinquenta)

________________________________________________________
Leia o Edital completo em:

1 de janeiro de 2015

O CINQUENTENÁRIO DO POETA


Em 2015, o poeta Admmauro Gommes completa 50 anos (7/fev). Para este ano, estão previstas várias atividades literárias envolvendo a obra deste escritor. Dentre elas, o lançamento de quatro livros inéditos.


ADMMAURO GOMMES é um escritor pernambucano (Brasil). Nasceu no município de Xexéu, Mata Sul do estado, aos 7 de fevereiro de 1965. Desde 1993 é professor de Teoria Literária da Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul (FAMASUL). Exerceu por quatro vezes o cargo de Secretário de Educação em Xexéu e por três a mesma pasta em Novo Lino (AL). Criou mais de trinta obras, das quais já foram publicadas vinte e três: 




A solidão foi embora (1987), Elegias matinais (1992), Luta dentro de mim (1998), Oito poetas pernambucanos (org- 1998), Poetas do ano 2000 (org - 2000), Pelos sete mares (2001), Brasil: primeiro século de história literária (org - 2001), Poemas do manancial de luz (2002), A literatura e o Brasil do século XVII (org - 2002), História do Xexéu (org - 2003), Poetas do Xexéu (org - 2004), Poetas da FAMASUL (org - 2004), Sonetos (2004), Joaquim de Xexéu (org - 2005), Para nunca mais dizer adeus (2006), A mulher da sombrinha e outras crônicas (2007), Estudos Literários e Sociolinguísticos - artigos em língua e literatura (2007), Intradução poética (2008), Sabores do Brasil (2009), Cinco poetas e um luar (org - 2009), O perfil do professor de literatura e as estratégias de produção textual (2011) e Síntese da Literatura Brasileira (2013)
e A estranha poesia de Vital Corrêa de Araújo (2013). Para 2015, estão previstos os lançamentos de:

1. Fernando Pessoa e o mar (poemas);
2. Néstogas e outros poemas;
3. Um livro de teoria literária, ainda sem título definido; e
4. Um livro de poemas, ainda sem título definido.


No início deste ano, o autor ultrapassou a marca de ter produzido mil e quatrocentos textos poéticos. Atualmente, reside em Palmares/PE (Brasil), cidade conhecida como a “Terra dos Poetas.” 

27 de dezembro de 2014

POESIA: AVE DE ARRIBAÇÃO

                     Admmauro Gommes

Poesia se parece
Com ave de arribação
Levanta voo no infinito
Se confunde com a amplidão
E o poeta é um menino
Com u'a gaiola na mão.

Ele fica na espera
Na hora da revoada
Pra ver se ela se ilude
E cai na sua jogada.
Tem dia que o poeta
Coitado, não pega nada.



Mas no dia do caçador
A ave perde a noção
Vem doidinha lhe encontrar
Com toda satisfação.
Aí o poeta astuto
Lhe prende no alçapão.


Leia os comentários de: 
Roberto de Queiroz, Marcia SilvaCida Vilas Boas, Gabriela Raianne, Marcondes Calazans, Zulene Oliveira, Ricardo Guerra...


22 de dezembro de 2014

NO GALOPE À BEIRA MAR

OS 14 GALOPES 
DE RICARDO GUERRA 
E ADMMAURO GOMMES


Então vamos de galope a beira mar: (Pra não mais findar)(Riccardo Guerra)

O poema tá arretado e bastante avançado
Nos versos de Admmauro e de Marian.
Quem sabe hoje, ou depois de amanhã
Lá pras bandas da burarema, com a lua cheia,
com a minha musa degosa e faceira,
pra confirmar esta prosa eu vou me esbaldar
poetas brincantes, com rimas alegres ao ar
proferem poemas perfeitos, e eu pegando a manha,
pra confirmar esta prosa e sua façanha
Vou cantando galope na beira do mar.


Amigo Ricardo, rei da Burarema
Há coisa que sempre encanta o matuto
Um bebo na praça fumando charuto
Em um batizado depois da novena.
O mundo é grande a vida é pequena
Há muita ciência pra gente pescar
Um chá de carqueja pra desinflamar
A queda do bicho parece um coice
Danou-se, danou-se a nega do doce
Nos dez de galope na beira do mar.



Famoso Admmauro do reino encantado
No Recanto das Águias não fica ao léu
Na pedra do reino seu nome é gravado
Como um grande poeta filho de Xexéu
Mais de vinte livros ele já escreveu
Tem a força de Hércules ou de um Teseu
No meio dos vinte: “Cinco Poetas e um Luar”.
De jaqueira lhe faço um convite arretado
Para em Maceió com tudo acertado
Cantarmos galope na beira do mar.


Poeta Admmauro, pode mandar galope de Xexéu pra Jaqueira, que eu mando daqui pra lá.
Abraços.
Depois, juntamos tudo e vamos publicar.




Quem tem um amigo não vive à toa
Está rodeado e nunca está só
Pode viajar para Maceió
Campina Grande e João Pessoa
E vara o mundo chegando em Lisboa
Na força do bicho chamado jaguar
E com bacamarte dá tiro no ar
Ao lado do amigo que é seu Ricardo
Que lá de Jaqueira é o maior bardo
Nos dez de galope na beira do mar.



5 Ricardo Guerra4 de outubro de 2013 18:42

O mundo endoidou, mas não me convenço
Que até minha Nega do Doce Danou-se
Partiu proferindo palavras, encantou-se
Para um mundo dos poetas ao qual eu pertenço.
Convidei Admmauro para ir me ajudar
E saímos os dois pelo mundo na procura
Não tínhamos nenhuma noção por onde começar
Encontramos o tabuleiro e a Nega a vadiar
E ela não estava nem aí para tanta frescura
Ficamos cantando galope na beira do mar.



Admmauro Gommes 4 de outubro de 2013


Você que conhece a fala dos reis
E sabe da grota que mora o brejeiro
Como é que um médico vem do estrangeiro
E vai entender o seu jaqueirês?
Vai se confundir com o nordestinês
Nessa confusão pode se engasgar
Na hora da cura é capaz de matar
Não vai entender caxumba e querela
“Pobrema de estambo e da espinhela”
Nos dez de galope na beira do mar.




O meu jaqueirês é uma língua arretada
Até o estrangeiro aprende depressa
Três dias de feira e ele logo a professa
Ouvindo a língua matuta e falada
Depois o doutor toma umas quatro lapadas
Da boa “temperada” do Alfredo Colar
Depois do efeito se dana a conversar
Miolo de pote e outras coisas também
Com os matutos se assim o convém
Nos dez de galope na beira do mar.



O seu idioma que é universal
E tem os traços de uma tradição
Careta e gesto em toda expressão
Trazendo um brilho que é sem igual
Quem não entender que é natural
Se engasga na pinga na porta do bar
Confunde caatinga e “cheirim” de gambá
Caxumba, papeira e cabeça de prego
Passando colírio para quem é cego
Nos dez de galope na beira do mar.




No meu idioma tudo é muito bacana
Meus irmãos matutos e uma nova língua
No meio da feira tomando uma pinga
Tendo como tira-gosto uma madura banana
Matuto é cabra sabido e muito legal
Em todo lugar ele gosta de estar
Observando e sempre aprendendo
Com sua viola pra cima e pra baixo
Eu também sou matuto por isso entendo
Nos dez de galope na beira do mar.





O matuto tem tal compreensão
Que as nuvens do céu sabe entender
Se amanhã é de sol ou vai chover
Se é dia de plantar milho ou feijão.
Ele sabe governar uma nação
Mesmo com um jeito estranho de falar
Há quem não consiga com ele conversar
Mas é um cabra tão inteligente
Que do Brasil um já foi até Presidente
Nos dez de galope na beira do mar.







Anatomia de matuto jaqueirense é assim
Pau da venta, zói, queixada e perna é canela
Beiço, cangote, suvaco, viria e guela
Mas não gosta das coisas cheias de pantim
Tem um jeito bonito da gota de falar
É bucho, chibata, cambito e pêia
Tripa gaiteira, buchada e zurêia
O bacamarte sempre tá pronto pra atirar 
Mas não mangue dele pois vai se arretar
Nos dez de galope na beira do mar.





Eu hoje fiquei malassombrado
Num pesadelo eu vi a caapora
E acordei depressa, sem demora
Pensei ver o Saci bem ao meu lado
Eu acho que tava vendo tudo errado
Rodrigues era um gato maracajá
Vital Corrêa imitava um sabiá
O Coronel cantava uma embolada
E Joel dava aquela gargalhada
Nos dez de galope na beira do mar.





Poetas preferem pois praticar poesia
Particularmente pelo prazer permanente
Pensando poder prosseguir previdente
Perfazendo percurso pela porfia
Permita-me porém parar para pensar
Preciso poetar por proficiência
Peço-lhe perdão pela paciência
Palavras prolíficas prefiro procurar
Pronto parei profundamente para praticar
No dez de galope na beira do mar.






Caro amigo Ricardo que é Guerra
Mas proclama a cultura de uma paz
No galope você provou que é demais
Cantando as belezas de sua terra
Cada verso que você encerra
Tem uma riqueza no seu linguajar
Por isso terminemos com esse pelejar
E não posso mais acompanhar você
Pois me faltam palavras na letra pê
Nos dez de galope na beira do mar.


Fim do galope.